1
1

Maurício Oppitz

YOUAH Página Inicial » Notícias » Reportagens » Tecnologia na Sala de Aula - Revista Isto É - edição 2113 - 12 de maio de 2010
Terça, 17 Jul 2018

Tecnologia na Sala de Aula - Revista Isto É - edição 2113 - 12 de maio de 2010

email Imprimir PDF
isto_e_n2113_12-05-2010-01

Nada é mais tradicional do que a aula "cuspe e giz", aquela que só depende da fala do professor para se concretizar. Mas a tecnologia está fornecendo cada vez mais recursos para turbinar o que acontece na escola e deixar o dia a dia dessa geração de crianças tão digitais mais próximo de sua realidade. Aliados poderosos, como a projeção tridimensional, facilitam o ensino de temas intrincados, como reações químicas ou demonstrações de leis da física. Já existem no mercado, por exemplo, diversos softwares que apresentam os conteúdos didáticos do currículo proposto pelo Ministério da Educação. Pode-se desenvolver material para todas as disciplinas com interatividade, usando capacetes e luvas que transmitem o movimento dos alunos.

Isso sem falar nas carteiras com teclado, mouse e telas sensíveis ao mesmo formato do século XIX, há cansaço, desentendimento, falta de vontade de aprender", afirma Jorge Vidal, diretor da Interdidática, feira que aconteceu recentemente em São Paulo e trouxe os lançamentos de ponta do setor para o mercado brasileiro. O Colégio Castanheiras, na capital paulista, abraçou a tecnologia. A partir do segundo ano do ensino fundamental todas as salas têm lousa digital e a tradicional e dois computadores ligados à internet - um para o professor e outro para os alunos. Do oitavo ano em diante, os da geração da transição, com giz e mouse, que não brigam", diz a diretora pedagógica Débora Vaz. Aliadas às lousas digitais, carteiras especiais permitem integrar totalmente as aulas com a apresentação do professor. Fechadas, elas parecem comuns, com tampa de madeira e apoio para canetas e lápis. Sob a tampa, monitor, mouse e teclado.

isto_e_n2113_12-05-2010-02Toda a tecnologia disponível, no entanto, não assegura por si só uma revolução educacional. É preciso aprimorar didática e conteúdos. O desafio agora é garantir o bom uso da tecnologia. "O risco é repetir o velho com a ferramenta nova", diz Nilbo Nogueira, doutor em educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Novas mídias, recursos e possibilidades garantem mais chances de aprendizado para toda a sala, afirma o professor. "Há alunos mais visuais, outros que aprendem ouvindo. Mas, na aula tradicional, você atinge menos gente."

Outra boa notícia é que a disponibilidade da tecnologia não está apenas nas escolas de elite. A Sapienti, empresa que desenvolve lousas e salas multimídia, tem nas escolas públicas seu principal cliente. "Na rede pública, 30% dos alunos não tinham computador em casa, mas 60% deles acessavam de um cyber-café", diz Gonçalo Clapes Margall, diretor da Sapienti. Diante da revolução digital, a rendição parece inevitável.

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Adicionar comentário


Código de segurança


Atualizar

Distribuição de Conteúdo via RSS

Novidades Oppitz
Notícias em mauriciooppitz.com.br Notícias em mauriciooppitz.com.br